#qLpercentage {font-family: Montserrat;font-size: 45px;font-weight: 700;font-style: normal;text-transform: uppercase;line-height: 55px;letter-spacing: 2px;color: #ffffff;}
#qLoverlay #qLbar_wrap #dfd-preloader-animation.dfd-preloader-style-1 .inner,#qLoverlay #qLbar_wrap #dfd-preloader-animation.dfd-preloader-style-5 span {border-color: #f42267}#qLoverlay #qLbar_wrap #dfd-preloader-animation.dfd-preloader-style-1 .outer .dash:before,#qLoverlay #qLbar_wrap #dfd-preloader-animation.dfd-preloader-style-2 span,#qLoverlay #qLbar_wrap #dfd-preloader-animation.dfd-preloader-style-3 span,#qLoverlay #qLbar_wrap #dfd-preloader-animation.dfd-preloader-style-4 span.item-one,#qLoverlay #qLbar_wrap #dfd-preloader-animation.dfd-preloader-style-6 span {background: #f42267;}

Vamos falar sobre Samaipata

A vida entre estudar e trabalhar é cheio de correrias e os días passam rápido não é mesmo?!

E aquí em Santa Cruz de La Sierra conheci pessoas maravilhosas e do bem, isso aconteceu depois que criei coragem de começar a andar de bicicleta, digamos que seja uma terapia para aliviar a cabeça.

Um dia, uma dessas pessoas que a vida me apresentou, me convidou para conhecer Samaipata, uma pequena cidade que fica há umas duas horas, mais ou menos, de Santa Cruz de la Sierra, localizada na base do Andres Bolivanos.

Samaipata é uma pequena cidade turística. Em 1998 a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) declarou como patrimônio da humanidade o Sítio Arqueológico de Samaipata, construido a dois mil metros de altitude. Um local de antigos rituais indígenas, numa colina onde estaria o centro cerimonial de uma antiga cidade. A enorme rocha esculpida, um complexo de estanques e canais, domina a cidade. Trata-se de um depoimento único das tradições e crenças pré-colombianas sem comparação no mundo. Esse fuerte localiza-se a uns 20 minutos e carro da cidade de Samaipata.

O Fuerte é de uma arquitetura genial, formas simetria realizadas a muitos anos de uma perfeição incrível. A historia que envolve aquele local é exposta por toda as paradas. Vale muita a pena conhecer.

No caminho para o Fuerte nós damos carona para duas viajantes irlandesas, uma arquiteta e outra antropóloga que largaram tudo para conhecer a America do Sul, falaram que já passaram por Brasil, Chile, Paraguaya e pretendiam voltar ao Brasil. Nos contaram sobre as viagens e enfins, super comunicantes.

As pessoas tinham que ter menos medo de se arriscar.

Vou pegar um gancho sobre elas, Samaipata é uma cidade de viajantes com um estilo colonial meio hippie, esse estilo me encanta. Tem vendinhas de hippie, cafés espalhados em volta de uma pracinha aconchegante.

Cabana onde me receberam com muito carinho.

Em uma de suas esquinas visitamos um bar, quando entrei nem podía acreditar, falei: NOSSA AQUÍ É MEU LUGAR. Música boa, decoracão típica de viajantes, pequeno porém acolhedor, afinal é isso que os viajantes que estão a tanto tempo longe de suas casas precisam. Me sentí realizada. E do nada começa a toca um ABBA, não podía ser melhor pois me faz lembrar meu querido pai que sinto tanta saudade.

Me hospedei na cabana da familia dele, no alto de uma colina, lá comemoraria o aniversario do seu tio. E eu, sem conhece-los estava la, mais uma vez disposta a conhecer o desconhecido. Essa ideia sempre me agradou bastante.

Sábado de manhã fomos conhecer a vinicola de vinho, 1950. Conheci a cascata/cachoeira La Pajcha onde subimos e pudemos admirar tal beleza e tranquilidade daquele lugar maravilhoso.

Estar nessas situacões de: lugares que não conheço, pessoas que não conheço é muito louco, e bastante gratificantes pois isso que nos enriquece como pessoas e soma com tanta historias de vida, experiencias e…  Uau! É mágico para mim.

Samaipata uma experiencia única de pura cultura. Valeu a pena.

So tenho a agradecer ao convite, a hospitalidade e o carinho como me receberam.

CLIQUE AQUI E CONFIRA A GALERIA DE FOTOS

SAMAIPATA . BOLIVIA

 

 

Juliana Angeli

 

Fonte: Wikipedia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *